Por que você ainda não colocou o seu filho no jiu-jitsu?

Bruno Tank

Começo esse artigo com essa pergunta do título, pois na minha opinião, o jiu jitsu deveria ser matéria presente nas escolas e toda criança, adolescente e jovem em formação teria que ter acesso a aulas para poder ter contato com tudo que o nosso esporte oferece.

O jiu-jitsu é algo que transcende o âmbito esportivo, vai muito além de uma simples atividade física ou um mera prática esportiva. A ‘arte suave’ é uma ferramenta de transformação social, cultural e sobretudo psicológica.

Sou professor há pelo menos quinze anos, trabalho com atletas de alto rendimento e com pessoas que só estão na academia para melhorar sua qualidade de vida. Desde crianças com 4 anos de idade a até professores universitários com sessenta anos. Todos, sem exceção, sofreram mudanças significativas de qualidade e estilo de vida, pela cultura que o jiu-jitsu proporciona todos os valores que agrega.

A autoconfiança e o autocontrole são trabalhados de uma forma que o praticante passa a ser uma pessoa mais segura e tolerante. A vivência do treino e das situações passadas nele criam ferramentas para que seus praticantes sintam-se mais preparados para lidar com as pressões e frustrações da vida, fora do tatame.

Somente por isso, toda criança e o jovem deveriam estar em salas de aulas de jiu-jitsu. A criança aprende desde cedo seus limites, a lidar com uma hierarquia, aprende a perder e ganhar. Isso o fará tornar um adulto mais confiante e preparado, sendo um diferencial para encarar a vida de frente. Pode ser um atleta de alto rendimento na final do campeonato mundial, ou alguém disputando uma vaga concorrida em uma entrevista de emprego.

Já tive casos de crianças que chegaram a minha sala de aula e já eram tratados como casos perdidos por conta de seu comportamento, falta de disciplina e concentração.

Com o sistema de aula e com todas as ferramentas que o jiu-jitsu proporciona para aquela criança se descobrir, se entender e por que não, extravasar alguns sentimentos?

Por que você ainda não colocou o seu filho no jiu-jitsu

Houve em todos os casos uma mudança significativa no comportamento das crianças, tanto na escola, quanto em casa com seus familiares. Alguns professores da escola vieram a minha academia para conhecer nosso trabalho, pois não acreditavam que a luta poderia transformar uma criança agressiva e indisciplinada em um aluno prestativo e controlado.

Acredite, o jiu-jitsu é um agente transformador, seja no combate ao bullying, onde crianças que eram vítimas, somente pela mudança de postura, sendo mais confiantes e com isso defendendo seu espaço e criando limites sem violência, mudaram esse quadro e hoje já não são só mais vitimas como pessoas que se posicionam e defendem aqueles que são.

Até hoje, lembro de um jovem aluno que chegou para fazer sua primeira aula. Tímido e sem acreditar nele próprio. Com o tempo, a mudança de postura em relação a sua própria imagem, e o que podia fazer, transformaram a vida dele. E não parou por aí meu caro leitor. Esse mesmo aluno foi campeão mundial de jiu-jitsu e hoje em dia é uma das grandes promessas que o esporte brasileiro tem para o futuro.

Se eu pudesse dar somente um conselho a alguém, com certeza seria: Comece a treinar jiu- jitsu já e matricule seu filho também. Será uma das melhores coisas que você fará para a vida dele.

E então, por que você ainda não colocou o seu filho no jiu-jitsu?

Bruno ‘Tank’ Mendes

Faixa preta 3º grau de jiu-jitsu

Treinador de atletas de alto rendimento

Mestre e co-fundador da equipe “Soul Fighters BJJ School”

Colunista e palestrante de jiu-jitsu

Fonte do Artigo: MSN ESPORTES

Comentários facebook :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *